Quinta-feira, 08 de Julho de 2010
De acordo com o presidente da Comissão Nacional de Ética é preciso coragem para rever aspectos negativos da actual lei. Que coragem e para quê? Para pôr de lado hipocrisias e oportunismos políticos e corrigir uma lei profundamente atingida por equívocos? Ou bastará a pequena coragem do remendo legislativo que dissolva a incomodidade das evidências e devolva a todos uma benévola sonolência?
Mª José Nogueira Pinto - “Aborto, lei e factos” in DN

Temas:

publicado por Marco Moreira às 10:56
 
Pesquisar neste blog
 
Ligações